Skip to content

Fluir da Alma

  Na inquietude dos astros…
o tempo despojado de glórias
certifica-se dos sons.
É de esperanças as outras linhas!
Paralelos distantes, agrupados
a todas as lágrimas.
Baco apronta a taça.
Aponta as portas,
sussurando qualquer coisa.
Ninfas embriagadas,
desfilam pelas alamedas.
Não existem respostas prontas.
Todas as cenas consumadas,
continuam depois da última cortina.

Arrastam-se as lógicas…
burlando as borras astutas
no hálito de tantas desculpas.

(Weder Soares)

O fluir da alma executa os sonhos.

 ♪ ♫ ♪   Oswaldo Montenegro – Eu Quero Ser Feliz Agora